“A agricultura será cada vez mais uma indústria”, diz cofundador da Strider

*Matéria publicada originalmente no portal StartSe

Por Tainá Freitas | StartSe

Strider-StartSe-imprensa

A Revolução Verde que aconteceu a partir da década de 50 nos Estados Unidos e Europa permitiu um grande aumento na produção agrícola. O movimento marca a entrada de novas tecnologias no campo, como o uso de maquinários, pesticidas e herbicidas. Agora, além da mecanização, a agricultura está sendo revolucionada por uma nova tecnologia: a digitalização.

Agora, os produtores conseguem conectar tratores à internet para ter acesso às informações que estão na máquina, utilizar satélites e sensores para prever chuva e o clima. As informações são usadas na inteligência da gestão dos campos.

Startups de agricultura e/ou pecuária – agrotech – estão surgindo trazendo a conexão aos campos, permitindo que os produtores tenham resultados ainda maiores ao mesmo tempo em que reduzem o impacto no ambiente. Um exemplo de startup que está realizando este trabalho é a Strider, uma agrotech que desenvolve softwares para uma gestão agrícola mais eficiente.

Em 2014, Luiz Tangari, cofundador da Strider, percebeu que a agricultura era uma das áreas do mercado com o menor índice de digitalização. Ao mesmo tempo, ele via surgir três pontos importantes para mudar esse cenário: “Os equipamentos para conectar uma fazenda no Mato Grosso à internet estavam ficando mais baratos, surgiam tablets com valor acessível e grande processamento, e maior capacidade computacional em nuvem para acessar grandes bancos de dados”, lista o CEO da agrotech.

Com essas iniciativas, uma quebra de barreira e cultura começou a acontecer e agora a tecnologia tem o potencial de transformar a agricultura também em uma indústria, ainda pensando na responsabilidade com o meio ambiente. “Temos um maior controle do processo produtivo. As empresas estão trazendo trabalhos mais sofisticados como ferramentas de medição e tratores com sensores”, comenta Tangari. Hoje, a startup utiliza a tecnologia para monitorar cerca de 4 milhões de hectares de terras.

A tecnologia no campo será utilizada para potencializar resultados e superar dificuldades. “Com o impacto ambiental, preço das commodities e regulamentação cada vez maior, o produtor precisa de mais ferramentas para conseguir trabalhar bem”, afirma. E agora o produtor está encontrando as ferramentas necessárias.

Para diminuir o impacto ambiental, por exemplo, o produtor pode migrar de um portfólio de pesticida mais barato, mas que tem o impacto ambiental maior, para um pesticida mais caro, com impacto menor e aplicá-lo com maior precisão. “A indústria consegue criar valor com tecnologia – todo mundo ganha, e eu acho que é isso que precisamos para o futuro. Sabendo exatamente o que está acontecendo no campo, conseguimos fazer manejos mais sofisticados”, diz o CEO da Strider. “Precisamos da gestão de como o produto está sendo pulverizado para saber onde o produto foi parar no final do ciclo”.

Para Tangari, estamos quebrando o paradigma do impacto ambiental, produtividade e resultado financeiro. “Um campo que normalmente entregava 60 sacos de soja agora vai entregar 80, gastando menos e tendo um impacto ambiental menor. As vezes o produto será mais caro, mas será usando em menor volume”, afirma.

E o acesso à tecnologia não é reservado apenas para os grandes produtores. Para os pequenos produtores, por exemplo, a Strider é exemplo de agrotech que possui uma versão “lite” de seus produtos, mais baratos e acessíveis. “Agora, o tablet diz tudo que o produtor tem que fazer. Os técnicos saem para coletar dados, depois há uma plataforma de suporte de tomada de decisão que ajuda o produtor no plano dele”, diz Tangari.

A aquisição da Strider pela Syngenta

A Strider foi criada em 2013 e em março deste ano foi adquirida pela Syngenta, corporação de agricultura presente em mais de 90 países. “Percebemos que não fazia sentido uma empresa vender insumo e defensivo de agronômico e outra vender um software. Vimos que o mercado vai comprar tudo junto – esta é uma tendência que está acontecendo no mundo todo”, comenta o CEO da Strider.

Foi questão de tempo até a Strider e Syngenta se aproximarem. “Existe uma sinergia muito grande entre Syngenta e Strider. A negociação entre ambas se relaciona diretamente com o principal objetivo que têm em comum: apoiar o crescimento e desenvolvimento da agricultura no Brasil, levando ao aumento de produção e eficiência para o agricultor”, diz Andre Savino, Diretor Geral de Marketing da Syngenta no Brasil.

A aquisição foi algo que não estava sendo esperado pela Strider, que viu a oportunidade e apenas abraçou a ideia. Na época, a startup estava captando investimentos em uma rodada série B, apresentou um pitch para a Syngenta e foi ali que começou. “Vimos que apenas um investimento não fazia sentido, porque era um casamento muito grande que faríamos para trabalhar separado depois – vender era mais fácil”, afirma Tangari.

“Acreditamos que a revolução digital na agricultura vai ser feita por um conglomerado de empresas e cabeças, passando essencialmente pelo universo das startups. O produtor está sempre em busca das melhores soluções e cabe às empresas desenvolverem plataformas que viabilizem isso, unindo esforços e complementando expertises. Nesse aspecto, nossas parcerias com startups seguem se mostrando promissoras”, comenta Savino.

Seja através de empresas estabelecidas, startups ou da união entre elas, não há como negar que o agronegócio está e será ainda mais impactado pela tecnologia. “Acreditamos que o futuro da agricultura se conecta a uma grande transformação digital, assim como outras indústrias já o fizeram. A nossa preocupação é com a sustentabilidade da agricultura como um todo e estamos certos sobre o avanço do terma estar diretamente ligado a novas ferramentas digitais, motivo pelo qual a Syngenta não poderia estar mais atenta à revolução digital que ocorre no campo”, finaliza o Diretor Geral de Marketing da Syngenta no Brasil.

Conecte-se com o ecossistema agrotech

Luiz Tangari será um dos palestrantes da AgroTech Conference, um dos maiores eventos sobre as inovações no setor agrícola e agropecuária. O CEO da Strider apresentará o case da Strider, eleita pela Forbes como uma das 25 AgroTechs mais inovadoras do mundo. Garanta a sua vaga e saiba todas as novidades de tecnologia no agronegócio em primeira mão!

Leia a matéria original em StartSe.